O moderno adestramento de cães (e suas pequenas polêmicas)
Buscar
  • Cão Com Manteiga

O moderno adestramento de cães (e suas pequenas polêmicas)

Atualizado: 10 de Ago de 2018

Será que educar e adestrar cães hoje em dia é mais difícil do que antigamente?


Por Juliana Nishihashi

"Acho que vou começar a ler este aqui!" - Moti

Fui adestradora por quase sete anos, e desde que comecei minha carreira, muita coisa mudou. Enforcadores deram lugar a coleiras e peitorais de treinamento que não causam dor, trancos, punições e broncas deram lugar a treinos baseados em ensinar comportamentos desejados, quintais vazios deram lugar a áreas repletas de brinquedos inteligentes e atividades de forrageamento, entre outras mudanças positivas.


Mas... só num mundo ideal podemos afirmar que essa mudança aconteceu em 100% dos lares e tutores – muito menos nos treinadores de cães. Apesar de a ciência estar em constante descoberta sobre o comportamento canino, e trazer à luz informações que não sabíamos e que nos ajudam a compreender e treinar nosso cães e solucionar problemas comportamentais, ainda existem muitas pessoas convencidas de que os métodos modernos de educação canina não funcionam. Por que será que isso ainda acontece?


Os cães convivem com as pessoas há milhares de anos. O relacionamento de humanos e pessoas sempre foi próximo, mas não no nível que vemos agora.

Cães partilham conosco áreas muitas vezes minúsculas, como apartamentos na cidade, vão conosco ao trabalho, podem participar das nossas refeições em restaurantes, viajam conosco de férias. Aquele modelo de relacionamento onde o cão vive no quintal, guardando fielmente a casa, enquanto o bom dono oferece uma casinha, comida e água, ficou no passado. Não que houvesse um grande problema com esse molde, mas é certo que os cães, pelo seu perfil e evolução junto ao homem, tem capacidade de partilhar muito mais conosco, além do quintal.


A grande questão é, quanto menos nos envolvemos com o cão, menos problemas teremos com ele. Se o cão dos nossos avós passava o dia todo no quintal, dormindo, guardando o portão, perseguindo pássaros, certamente ele não destruia o pé da mesa, não interagia com as visitas, não pulava nas pessoas que entravam em casa, não puxava a guia no passeio (até porque a cultura do passeio não existia há anos atrás!). Então, não apareciam problemas a serem resolvidos. Ótimo, não!? Seria muito bom, mas o relacionamento distante fazia com que os cães se alimentassem pior (pois a comida ficava no canil, à vontade), fossem mais suscetíveis a doenças (pois não eram tocados ou examinados com frequência), frequentemente ficavam anti-sociais (porque não tinham oportunidades de sociabilizar), e certamente morriam mais cedo que os cães de hoje em dia.


Então, a impressão que tínhamos, de que a forma de educar cães de antigamente era mais eficaz, é simplesmente porque os cães não eram “educados” no sentido literal da palavra. Eles viviam num contexto onde nada diferente era esperado deles, e eles desempenhavam os comportamentos que queriam sem nenhuma restrição ou consequência.


Com o estreitamento dos laços entre cães e tutores, muitos benefícios, alegrias e prazeres surgiram desse relacionamento, mas também muitos problemas.

Hoje em dia, muitos cães vivem em centros urbanos, em apartamentos pequenos, passam muito tempo sozinhos, não recebem atividade física necessária, são expostos a muitos estímulos estressores diferentes. Por todas essas situações, além de várias outras não mencionadas, podem surgir problemas de comportamento, ou de forma mais branda, dificuldades de adaptação. E para lidar com essas demandas modernas, só uma educação moderna pode ajudar.


A educação moderna do cão envolve ciência, observação do comportamento canino, sensibilidade, e um genuíno desejo de entender quem é aquele cão, por que ele se comporta daquele jeito, qual a influência do ser humano no comportamento canino, e quais as formas que podemos interferir para auxiliar. Ela não é feita de curas ou tratamentos rápidos e milagrosos, respostas simplistas (porque o estudo do comportamento não é simplista, e porque seres vivos são complexos!), muito menos de imposição ou força bruta.


Parece que educar um cão urbano, num contexto atual, usando metodologias modernas não é fácil, não é? E de fato não é. O compromisso com a educação e bem estar de qualquer ser vivo não é simples e vem carregado de responsabilidade. Mas não levemos isso para o lado negativo! A parte boa é que, quando bem compreendido e aplicado, o treinamento moderno é extremamente prazeroso, tanto para o peludo, quanto para o tutor. Ele só requer uma boa parcela de estudo e abertura para aprendizado.


O intuito da Cão Com Manteiga é conversar com os tutores de cão sobre essa nova forma de educar cães, e auxiliar para que cada tutor consiga utilizar esses conceitos e novos aprendizados da melhor forma em suas casas, levando em conta que cada lar, cada família e cada cão é único.

Pra nós, não existem fórmulas mágicas e engessadas, dificuldades e erros fazem parte do processo de aprendizagem, comunicação e relacionamento, o foco deve ser sempre nos acertos, e os treinos devem estar abertos a mudanças, alterações e melhorias, sempre.

Essas características fazem do processo de educação canina um processo mais leve, mais comunicativo, mais divertido, e nem por isso, menos sério e objetivo. Então, vamos juntos educar?

87 visualizações